Menu

O que você sabe sobre Sexualidade Feminina?

24/11/2017 - Sexualidade Feminina

“Por mais amor e menos pudor

Durante séculos, a atividade sexual é vista para mulheres apenas para fins reprodutivos. Para a mulher não restava outra função ao ato, visto que o prazer feminino era extremamente reprimido.

Atualmente, devido à informação amplamente acessível, o sexo passou a integrar o cotidiano, ficando limitado não apenas a forma, mas possibilitando que a mulher se sentisse valorizada e elevando sua auto-estima.

De acordo com médicas especialista na área, a mulher contemporânea está constantemente procurando novos elementos que contribuam para o desempenho e a qualidade do ato sexual, e, em consequência, o seu próprio prazer.

O prazer sexual é um direito das mulheres, assim como sempre foi dos homens, e que precisam buscá-lo das formas possíveis e acessíveis. Conversar com o parceiro e obter dicas e informações do que pode ser importante, para que a relação flua melhor e acima de tudo, seja saudável. Muitas vezes a culpa e a vergonha sobre os desejos sexuais são pouco producentes e não são saudáveis.

Diversas mulheres aprendem sobre seu prazer sexual conhecendo o próprio corpo, se tocando, que é um caminho super saudável. Muitas vezes interesses que tem como principal objetivo o descobrir a si mesmo é deixado de lado, e buscas sobre temas como como deixar vagina apertada, passa a ser um tabu. Entender o que lhe agrada e proporciona prazer deixa mais fácil e gratificante a a relação com outra pessoa.

Estatísticas mostram que os fatores que ajudam o desejo sexual a ser reprimido são de caráter psicológico que, muitas vezes, estão ligados ao companheiro, aos mitos e preconceitos que permeiam o ato sexual em si, e à preocupação da mulher no que diz respeito aos dogmas correntes na sociedade.

Estar com a auto estima em dia é o principal fator para uma vida sexual saudável e gratificante. Não devemos esperar que os outros nos respeitem caso nós mesmos não nos respeitarmos.

A identidade, orientação sexual, personalidade, sentimentos e relações que estabelecemos define nossa resposta sexual. Além do mais, a medida em que os anos passam, nossa sexualidade e o modo como encaramos as várias etapas da vida são alteradas e é importante que nossas experiências e vivências com relação a sexualidade nos deixe confortáveis e relaxados.

Por fim, existem diversos modos para encarar os preconceitos e ter uma vida melhor. Algumas recomendações importantes, que devem ser seguidas frequentemente, ajudam a conquistar a satisfação e prazer para a mulher, não apenas do corpo, mas também da mente.

São elas:

* Exercitar-se regularmente
* Dialogar com o parceiro
* Estar sempre com as consultas ginecológicas em dia
* trabalhar a mente com diferentes estímulos e desafios.

Na busca e descoberta sobre a sexualidade, sexólogas indicam além da masturbação a prática do pompoarismo. Muitas mulheres se perguntam como fazer pompoarismo, pois parece algo extremamente complicado, quando não é. O pompoarismo visa o fortalecimento da musculatura pélvica e muito mais do que proporcionar prazer a mulher, está relacionado a mais saúde e segurança.

Mitos precisam ficar pra trás

Outro ponto importante é acabar com alguns mitos relacionados ao universo da sexualidade feminina, separamos seis abaixo.

1. O ponto G pode não existir
Segundo acredita-se, o ponto G é uma zona erógena do corpo da mulher, localizado na vagina do tamanho de um grão de feijão que, quando estimulado, proporciona muito prazer às mulheres. No Entanto, estudos afirmam que o ponto G pode ser um mito. A pesquisa realizou-se com 1.800 gêmeas, com a ideia que, se uma das gêmeas detivesse o ponto, a outra também deveria ter. No entanto a pesquisa descobriu que esse padrão não se segue e concluíram que essa é uma ideia subjetiva.

2. As mulheres se excitam mais do que percebem
Mesmo sem notar, as mulheres podem sentir excitação física de acordo com um estudo recentemente. Os homens notam a excitação com mais facilidade que as mulheres. É bem comum mulheres sentirem excitação genital mas negarem o fato.

3. Sexo e felicidade andam juntos
Mulheres que se dizem satisfeitas sexualmente tem a vida mais feliz, em qualquer idade. No entanto, ficou inconclusivo se isso se deve ao fato de fazerem mais sexo ou se a felicidade as levam a fazer mais sexo. Ainda assim, a falta de desejo afeta a auto-estima feminina e causa problemas emocionais.

4. Mulheres espiritualizadas fazem mais sexo
Mulheres espiritualizadas sentem-se mais  conectadas com o mundo, fazem mais sexo e tem mais parceiros.

5. Traição emocional traz mais culpa
Geralmente homens sentem-se com mais culpa do que as mulheres quando traem. As mulheres, no entanto, se sentem mais culpadas quando pensam em adultério e outras transgressões mentais.

6. Prestar muita atenção ao sexo pode atrapalhar o prazer
Prestar atenção na própria performance durante o ato sexual pode prejudicar o próprio desempenho e reduzir o desejo, aumentando a auto-crítica e levando diretamente a um ciclo vicioso durante a vida sexual. Análises cerebrais das mulheres no decorrer do ato sexual prova que o melhor a se fazer é relaxar e aproveitar o momento.

⇒ Mais dicas: https://prazeresaude.com/